Natal de ponta cabeça, cabeça em pé e algum sentimento.

Final de mais um ano e, com ele, as reflexões sobre como aproveitei (ou não) meu tempo, o que deveria ter feito (ou não), se o saldo final foi positivo (ou não). Acontece que 2013 começou com um pedido muito simples, porém essencial: PAZ. Lembro de ter pedido com todas as forças na virada do ano que meu coração fosse capaz de se acalmar, que as mágoas se tornassem pequenas ou, então, sumissem por completo. Pedi para parar de perder o sono e o ar quando pensasse em algumas pessoas, quando pensasse em como era meu relacionamento com elas e em que ele se transformou.

Pedi muita paz, porque meu coração estava magoado, ferido. E não foi apenas a ferida causada por uma decepção familiar ou amorosa mas, além disso, era uma decepção comigo mesma. Eu estava decepcionada por não conseguir perdoar, por manter a raiva, o ódio, o incômodo. Queria parar de sofrer e, se possível, também parar de fazer outros sofrerem.

Se consegui realizar? Acredito que sim. Mas isso só foi possível quando admiti para mim mesma que, quando o assunto é sentimento, a gente tem que seguir o coração. Como já diria um poeta por aí, se perceber que tiver que seguir, siga… Se achar que precisa voltar, volte… E foi exatamente isso que fiz. Deu uma acalmada por dentro, estou mais feliz.

Entretanto, como nem tudo é rosas, esse ano tive que experimentar o primeiro natal após a separação dos meus pais. Aliás, talvez a melhor definição seja a de que a separação ocorreu no natal. E aí me senti naquela corda bamba de circos, sabe? Tentando manter o equilíbrio pra não despencar de um lado e nem do outro, tentando manter os olhos a frente para seguir no fio, caminhar seguramente até a outra ponta.

E pensar que ano passado estava eu, meus pais e meus irmãos viajando, passamos o natal e o ano novo todos juntos. Desde a época em que começou minha maratona de vestibulares eu não passava o ano novo com todo mundo junto e misturado. O natal a gente até ficava junto, mas eu sempre tinha aquela cobrança de estudar e não conseguia aproveitar nada… enfim, é muito esquisito olhar para um ano atrás e perceber que minha vida virou de cabeça para baixo. Nesse ano me senti realmente dividida entre as novas ‘duas famílias’, e confesso que tenho o medo de perder os laços com meu pai. Além dessa sensação desconfortável, ter que aturar olhares e perguntas de familiares sobre o divórcio dos meus pais têm sido um saco. Aliás, todo esse processo tem sido um saco.

E por todo esse redemoinho de sentimentos estar ocorrendo agora, no natal e no ano novo, é que tenho pensado mais do que nunca sobre o significado desses dois momentos. Há quem diga que são apenas datas comerciais, hipócritas e blablablás. É verdade, não nego. O apelo comercial desses períodos é gigante e já ‘faz parte’. Mas não é sobre isso que quero falar.

Queria dizer que tenho pensado a todo instante para quais caminhos estou conduzindo minha vida e meus relacionamentos, e se estou segura de mim. Pensado se é possível reconstruir relacionamentos ou reforçar os laços já existentes. Pensado se será possível alguma vez, algum ano, me sentir bem em estar com a família (tanto do meu pai quanto da minha mãe) reunida e me sentir bem, me sentir realmente parte dela. Porque estou farta de precisar cumprir protocolo familiar e estar apenas em corpo nos lugares, com a mente além em qualquer lugar distante. Estou farta de precisar sorrir e fingir uma falsa intimidade com familiares que, durante todo o resto do ano, troco meia (ou nenhuma) palavra.

Também tenho pensado sobre relacionamento. O começo, o meio, e o fim (ou não) de uma amizade, de um amor, de um vínculo familiar. Não acredito em paixões eternas e nem que os pais e o filhos devem a tudo perdoar e a todo custo manter o vínculo que os une. Mas acredito que, por mais que as algumas coisas mudem (e muito), outras se mantém (ou deveriam se manter) intactas.

Por exemplo, quando um relacionamento amoroso tem um fim, embora as duas partes estejam magoadas (uma mais que a outra, ou as duas destruídas), é preciso que a ruptura, a qual por si só já é desgastante, se dê de forma mais respeitosa possível. É preciso lembrar das coisas boas, do passado junto, e tentar não magoar ainda mais. O mesmo vale para os amigos e a família.

Sabe, porque as pessoas simplesmente ligam o ‘foda-se’ para os sentimentos de quem, outrora, foi seu/sua companheira de vida? Não estou pedindo que fiquem juntos para sempre, amigos de berço, mas sim um mínimo de cuidado para evitar esfacelar ainda mais o que já tá trincado ou aos cacos. Um mínimo dever de cuidado e respeito com o próximo, penso eu. Fins fazem parte da vida, mas não precisam ser tão dolorosos.

O bom de tudo isso, de todos questionamentos e sentimentos revirados, é que toda bagunça precede uma boa arrumação. E por mais difícil que seja, é bom tentar colocar a casa em ordem, a mente em ordem. Seguirei tentando.

“Se achar que precisa voltar, volte!
Se perceber que precisa seguir, siga!
Se estiver tudo errado, comece novamente!
Se estiver tudo certo, continue.
Se sentir saudades, mate-as.
Se perder um amor, não se perca!…
Se o achar, segure-o!
Circunde-se de rosas e ame…
O mais é nada”.

Fernando Pessoa

 

25 de novembro

Às vezes a vida faz a gente ter vontade de se jogar de um precipício. Ela faz questão de dar aquela sensação de que nada pode piorar, ou que está tudo bem, quando, de repente, o chão vira areia, e tudo vai-se embora, muda com uma velocidade tão rápida que somos quase sugados pelo vento que faz… e que vento é esse, senão aquele de quando a gente se joga de um precipício?

Só que a vista da pedra é tão mais bela, que talvez se jogar não seja boa idéia. E sim ficar lá, assim, só observando. Sei lá. O tempo frio e seco, a luz quase escondidinha atrás da cidade, tudo isso vai passar. Mais hora, menos hora, o dia volta. E a vida descomplica, ainda que por uns instantes, e esses instantes fazem valer a pena… até ruir de novo, e ser preciso confiança e fé para aguardar mais um dia.

A Porta

– Fecha a porta.

– Não não, vou deixar aberta pra entrar um ar mesmo.

– Mas tá de noite, olha as horas!

– O ar da noite é mais fresco.

– É perigoso, nunca se sabe se pode vir um bandido! Semana passada parece que a casa da Jô foi assaltada!

– Um raio não cai duas vezes no mesmo lugar.

– Exato, agora pode ser nossa casa, fecha a porta Carlos!

– Não vou fechar não, se você quiser fechar, feche-a você. Arre, quanto medinho por nada. Fica vendo Datena de tarde, dá nisso.

– Nisso o que?

– Nesse medo louco que você tem de tudo, até de uma porta aberta pra entrar um ar.

– Aberta pra entrarem na nossa casa, é isso que você quer dizer né. Se quer que entre ar, abra as janelas, uai!

– Não é a mesma coisa. Só uma porta aberta tem as sensações de frescor e liberdade tão difíceis de encontrar nesse calorzão dos infernos.

– Mas Carlos, querido, se quer vento abre a porta do quintal, abre as janelas, liga os ventiladores… Mas não deixe a porta assim, escancarada, de noite!

– Você tem medo do que, Daniela?

– Medo do que todo mundo tem, de morrer.

– Acha que uma porta aberta de noite vai te matar?

– Não, mas pode ajudar, facilitar. Nunca se sabe, vira um convite pra bandidos, gente mal intencionada. Se sabem que a casa é cheia das rapariga, vai que surge até um safado sem vergonha que tente se aproveitar das meninas! E você é louco, com essas lorotas de frescor e liberdade. Pra que tanta frescura? E essa bobagem de liberdade? Santo Deus! Livre você não vai é ser na mão de delinquentes!

– Dani… Mas é que… perdemos tanto de nossas vidas por causa desses medos bobos. Quero dizer…  É claro que existem riscos. Mas eles estão soltos por aí, espreitando as vítimas do acaso. Ninguém está sempre seguro, e nessa de querer preservar tanto a vida, perdemos ela em detalhes. É a feijoada da Tia Maroca cheia de gordura, vai que aumenta meu colesterol e me mata do coração? É o cigarro não fumado, vai que dá câncer, não é mesmo? A cerveja não bebida, o doce não saboreado, a paixão não vivida. Quantos momentos bons perdemos para evitar suas consequências, seus riscos!

– Você deu agora de fumar, safado? Se a gente tá junto é porque eu não esperava ter segredos com você, se tiver que falar alguma coisa fale de uma vez, não fique dando voltas e voltas pra me enrolar! Desde quando você fuma? Quem te colocou nessa roubada? Certeza que foi o Vitinho, CER-TE-ZA! Tinha que ser aquele safado, bêbado e arrogante!

– Não não Dani! Que fumar o que! Eu não fumo, foi um exemplo! É um prazer que não faço questão de ter, acho fedido, sei lá! E o Vitor não tem nada a ver com isso, porque você vem com essas agora? Me deixe terminar!

– O que é, então?

– É que eu acho que temos, as pessoas todas, medos demais e vida de menos. Não to falando em ter uma vida libertina, mas o equilíbrio é fundamental. Depois de ficar preso horas no trânsito, no calor dos infernos, eu quero sentir a brisa vinda da porta. Por que não posso ter esse prazer, tão simples? Enquanto você fica aí, assistindo Cidade Alerta, Datena e outros lixos da vida, alimentando medos e mais medos, por que não se aconchega aqui comigo, abraçadinha, sentindo o frescor da brisa? Eu pego uma cervejinha pra gente, frito uns pasteizinhos de carne seca com catupiry que sei que você adora. Tenho certeza absoluta, você vai gostar Dani. Desligue isso aí e vem pra cá, amor. Vamos viver de verdade, pelo menos um pouquinho!

– Arre Carlos, você tem é problema. Durma na sala então. Pegue suas coisas e fique à vontade aí, com sua `brisa` ou seja lá o que for. Vou trancar essa porta. Assim, se entrar algum maníaco, só pega você. E feche as cortinas pras vizinhas fofoqueiras não ficarem comentando que te coloquei na sala, podem espalhar fofoca de que estamos nos separando e não quero conversinhas pra cima de mim depois.

– Dani…!

– Sem conversinha pra cima de mim também. Boa noite!

– Boa noite, amor…

Daniela trancada. E Carlos, de portas abertas.