Vento frio

“De onde eu vim
Não tem mar
Onde eu vim parar?
Atraquei
Nesse cais
Por amor demais…”

Cais – Mallu Magalhães

Sentia o vento gélido e úmido atravessar a face como se fosse o riscar de várias agulhas bem fininhas. Ajeitou o corpo no casaco quentinho. Esfregava as mãos. Olhava o céu cheio de estrelas, lindo…

Starry night over the Rhone (1888) – Vincent van Gogh

Starry night over the Rhone (1888) – Vincent van Gogh

Deixe uma resposta