25 de novembro

Às vezes a vida faz a gente ter vontade de se jogar de um precipício. Ela faz questão de dar aquela sensação de que nada pode piorar, ou que está tudo bem, quando, de repente, o chão vira areia, e tudo vai-se embora, muda com uma velocidade tão rápida que somos quase sugados pelo vento que faz… e que vento é esse, senão aquele de quando a gente se joga de um precipício?

Só que a vista da pedra é tão mais bela, que talvez se jogar não seja boa idéia. E sim ficar lá, assim, só observando. Sei lá. O tempo frio e seco, a luz quase escondidinha atrás da cidade, tudo isso vai passar. Mais hora, menos hora, o dia volta. E a vida descomplica, ainda que por uns instantes, e esses instantes fazem valer a pena… até ruir de novo, e ser preciso confiança e fé para aguardar mais um dia.