Plenitude

Está tudo bem. Tudo calmo. Tudo no seu devido lugar.

A gente se acostuma com a tristeza, com a saudade. Dá saudades de tudo um dia. Da infância e seus brinquedos, da adolescência e seus conflitos… Tudo deixa um restinho dentro da gente, e é isso: aprendemos a conviver.

E eu to feliz, sabia? Sem cobranças, sem estresse, sem antidepressivo. É como se recuperasse as rédeas do que eu sou, do que eu sinto. Vou contar um segredo: nessa virada de ano pedi paz, e fez todo sentido.

Acima de tudo paz. Paz pro corpo, mente e coração. E não é que está dando certo?

Correria do dia-a-dia que consome tão gostoso, tão gostoso! Mesmo quando acho que não vou dar contar… puft! Consigo! E consigo cada vez mais, tanta coisa, que parece sonho.

Acho que vivo uma das melhores fases da minha vida até agora. Estou tão feliz, tão plena…