Stop this train

Você de repente ouve uma música que há muito tempo não ouvia.

E se lembra… das manhãs difíceis e frias, da expectativa cotidiana, dos carinhos e das conversas que davam força, do leite com toddy nas tardes depois da soneca, dos livros em cima da  bancada, de acordar cinco da manhã na sala enquanto o quarto estava em reforma, do medo de dirigir às seis da manhã na radial, dos telefonemas antes de dormir e ao acordar, da ansiedade de chegar o final de semana e dormir tranquila, quem sabe sair com os amigos…

E sente… nostalgia, saudades, saudades, saudades.

E chora.

O despertador não era suficiente, aí eu colocava a música no youtube, pelo celular, para ouvir e acordar com algum ânimo, com alguma força que por vezes me fugia.

E hoje quando eu ouço, o que mais sinto é saudades. Nem dá pra acreditar.

 

Stop this train – John Mayer

No, I’m not colorblind
I know the world is black and white
I try to keep an open mind
But I just can’t sleep on this tonight
Stop this train
I want to get off
And go home again
I can’t take the speed it’s moving in
I know I can’t
But honestly, won’t someone stop this train?
Don’t know how else to say it
I don’t want to see my parents go
One generation’s length away
From fighting life out on my own
Stop this train
I want to get off
And go home again
I can’t take the speed it’s moving in
I know I can’t
But honestly, won’t someone stop this train?
So scared of getting older
I’m only good at being young
So I play the numbers game
To find a way to say that life has just begun
Had a talk with my old man
Said “help me understand”
He said “turn sixty-eight
You renegotiate”
“Don’t stop this train
Don’t for a minute change the place you’re in
Don’t think I couldn’t ever understand
I tried my hand
John, honestly we’ll never stop this train”
Once in awhile, when it’s good
It’ll feel like it should
And they’re all still around
And you’re still safe and sound
And you don’t miss a thing
Till you cry when you’re driving away in the dark
Singing
Stop this train
I want to get off
And go home again
I can’t take the speed it’s moving in
I know I can’t
Cause now I see I will never stop this train

Plenitude

Está tudo bem. Tudo calmo. Tudo no seu devido lugar.

A gente se acostuma com a tristeza, com a saudade. Dá saudades de tudo um dia. Da infância e seus brinquedos, da adolescência e seus conflitos… Tudo deixa um restinho dentro da gente, e é isso: aprendemos a conviver.

E eu to feliz, sabia? Sem cobranças, sem estresse, sem antidepressivo. É como se recuperasse as rédeas do que eu sou, do que eu sinto. Vou contar um segredo: nessa virada de ano pedi paz, e fez todo sentido.

Acima de tudo paz. Paz pro corpo, mente e coração. E não é que está dando certo?

Correria do dia-a-dia que consome tão gostoso, tão gostoso! Mesmo quando acho que não vou dar contar… puft! Consigo! E consigo cada vez mais, tanta coisa, que parece sonho.

Acho que vivo uma das melhores fases da minha vida até agora. Estou tão feliz, tão plena…