É aí que tá!

“O correr da vida embrulha tudo. A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem..”

“Qualquer amor já é um pouquinho de saúde, um descanso na loucura.”

“Viver — não é? — é muito perigoso. Porque ainda não se sabe. Porque aprender-a-viver é que é o viver mesmo.”

 Guimarães Rosa

*

E não é que enlouqueci? Surtei, desandei, desvairei! Ando no meio fio, pulo bueros e corro pro ponto. Depois, ainda consigo me apaixonar, apaixonar, apaixonar por tudo que vejo! Se não é a árvore, cheia de flores, linda? Se não é o raio de sol, por entre as nuvens, divino? Se não são vocês, dentro de mim, amores? Problemão esse ser-apaixonado! Problemão, porque se perde, vive perdido, no labirinto que é não saber o que fazer, e fazer tudo certo e errado ao mesmo tempo… mas é bom, gosta tanto de sonhar!

Todas pessoas tem labirintos, é verdade. Mas o meu é diferente. É cheio de imaginação. E nesse cenário novo, de paredes novas e pinturas desconhecidas, não sei o que fazer, e acabo fazendo tudo errado.

Tudo errado.. do mesmo jeito que fizeram comigo. Errado.

É, brincar de viver em montanha-russa não vai ser fácil… Acorda menina!

Efeitos

 Retrato de uma francesa – 1946 –  Pablo Picasso


         É assombroso o efeito que tudo me causa. Chuva, sol, vento ou até mesmo um sorriso já conseguem mexer com meu dia, deixando-o mais feliz… Mas a falta de tudo também me causa um enorme efeito. Me deixa morna, meio pra lá e meio pra cá, assim, sem saber de nada e querendo tudo, ao mesmo tempo.
Aquele calor do abraço me faz falta, sabia? A risada das bobagens também me deixa uma dorzinha de saudades. E as horas corridas, que voavam na tarde e na noite – porque dia era pra dormir – também deixaram marcas.
Pior de tudo é não ter a cumplicidade, a parceria, essa sensação de completar o quebra-cabeça… Sinto tanta falta! E essa falta me dói por dentro, me deixa sem respirar direito, inquieta!
A falta me machuca. A gotinha da chuva, o calor do sol e o passar do vento tão aí pra compensar a falta e me curar. Depois de vocês, só eles me fazem sentir viva…

Vento frio

“De onde eu vim
Não tem mar
Onde eu vim parar?
Atraquei
Nesse cais
Por amor demais…”

Cais – Mallu Magalhães

Sentia o vento gélido e úmido atravessar a face como se fosse o riscar de várias agulhas bem fininhas. Ajeitou o corpo no casaco quentinho. Esfregava as mãos. Olhava o céu cheio de estrelas, lindo…

Starry night over the Rhone (1888) – Vincent van Gogh

Starry night over the Rhone (1888) – Vincent van Gogh

Só uma coisa..

Eu não vou pedir nada. Não vou cobrar aquilo que vocês não podem me dar. Mas uma coisa, eu exijo. Quando estiverem comigo, sejam todos “inteiros”. Corpo e alma. Às vezes, mais alma. Às vezes, mais corpo. Mas, por favor, não me apareçam pela metade. Não me venham com falsas promessas. Eu não quero saber quanto vocês ganham. Quero saber se ganham o dia quando estão comigo…

É…

Meu coração tem o tamanho do mundo…


A verdade dividida – Drummond
A porta da verdade estava aberta
mas só deixava passar
meia pessoa de cada vez.

Assim não era possível atingir toda a verdade,
porque a meia pessoa que entrava
só conseguia o perfil de meia verdade.
E sua segunda metade
voltava igualmente com meio perfil.
E os meios perfis não coincidiam.

Arrebentaram a porta. Derrubaram a porta.
Chegaram ao lugar luminoso
onde a verdade esplendia os seus fogos.
Era dividida em duas metades
diferentes uma da outra.

Chegou-se a discutir qual a metade mais bela.
Nenhuma das duas era perfeitamente bela.
E era preciso optar. Cada um optou
conforme seu capricho, sua ilusão, sua miopia.

 

Todo sentimento

Engraçado… o amor é tema de milhões de músicas, poesias, romances, filmes… mas quem de fato sabe o que é? Parece ser necessário explicar algo que não se entende, que não é capaz de ser organizado em idéias lógicas, racionais…

Desisti de tentar explicar o que é amor, ou de me convencer de alguma definição. Amor é um sentimento nobre porque só é possível sentir, e quem sente sabe. Amor não se explica. Amor não é paixão. Amor é amor.

Hoje estou muito docinha porque sinto falta do abraço apertado e sincero, da risada das besteiras ditas e não ditas, dos beijinhos bobos, das ligações no celular sem hora e sem razão…  Apesar disso, ainda preciso ficar sozinha… e vou vivendo minha solidão, vivendo a falta do meu amor… se é possível isso ser possível…

“Preciso não dormir
Até se consumar
O tempo da gente.
Preciso conduzir
Um tempo de te amar,
Te amando devagar e urgentemente.

Pretendo descobrir
No último momento
Um tempo que refaz o que desfez,
Que recolhe todo sentimento
E bota no corpo uma outra vez.

Prometo te querer
Até o amor cair
Doente, doente…
Prefiro, então, partir
A tempo de poder
A gente se desvencilhar da gente.

Depois de te perder,
Te encontro, com certeza,
Talvez num tempo da delicadeza,
Onde não diremos nada;
Nada aconteceu.
Apenas seguirei
Como encantado ao lado teu.